12 erros de jardinagem de ervas em contentores que está a cometer (e como corrigi-los)

 12 erros de jardinagem de ervas em contentores que está a cometer (e como corrigi-los)

Timothy Walker

Começar o seu próprio jardim de ervas em recipientes pode ser um desafio de jardinagem divertido, mas também pode tornar-se num projeto stressante se for gerido incorretamente.

Como principiante no mundo do cultivo de ervas aromáticas em recipientes, há certos erros comuns que deve ter o cuidado de evitar para que o seu jardim seja um sucesso.

Mesmo os jardineiros experientes podem cometer estes erros, por isso, informe-se desde cedo para evitar desilusões!

Neste guia, irei abordar os erros mais comuns que os jardineiros cometem quando se trata de cultivar ervas em vaso, e como corrigi-los ou como evitá-los completamente.

12 erros que deve evitar ao cultivar ervas aromáticas em vasos

As ervas cultivadas em recipientes são muito mais vulneráveis a certos problemas do que as cultivadas no solo, pelo que há alguns aspectos a ter em conta antes de se apressar a plantar.

Veja também: 25 variedades vibrantes de Aglaonema para adicionar à sua coleção de plantas

Aqui estão 12 erros comuns na jardinagem de ervas em recipientes que devem ser evitados se quiser que as suas ervas em vasos prosperem durante todo o verão.

1. escolher o contentor errado

Escolha o recipiente de tamanho e material adequados às necessidades da sua planta, uma vez que o vaso onde planta as suas ervas aromáticas tem uma enorme influência no sucesso das plantas.

Se escolher um recipiente ou vaso demasiado raso para o tipo de erva que está a cultivar, as raízes não terão espaço suficiente para crescer e desenvolver-se.

Do mesmo modo, deve assegurar-se de que o vaso tem um diâmetro suficientemente largo para que nele caibam todas as ervas que tenciona plantar.

O material de que é feito o seu vaso é também uma consideração importante, uma vez que os vasos de barro ou de terracota são particularmente porosos e propensos a secar rapidamente.

Se cultivar uma erva que precisa de muita água, como a hortelã, os recipientes porosos vão lixiviar a humidade do solo muito rapidamente e será melhor usar plástico reciclado.

2. utilização de solos de má qualidade

O solo é o local onde as ervas aromáticas obtêm tudo o que necessitam para crescer e produzir folhas perfumadas e um novo crescimento saudável, pelo que tem de se certificar de que é da melhor qualidade que pode pagar.

Poupar nos custos e comprar terra de má qualidade numa loja de artigos baratos não ajudará as suas plantas a ter um bom desempenho, especialmente porque muitas ervas têm necessidades nutricionais específicas e cultivá-las em recipientes significa que precisa de ter tudo o que elas precisam nessa terra, uma vez que não podem obtê-lo noutro lugar.

Também não deve encher o vaso com terra do seu quintal, pois secará demasiado depressa. Em vez disso, construa a sua própria terra ou compre uma terra para vasos de boa qualidade num centro de jardinagem.

A terra para vasos deve ter uma excelente drenagem com componentes como coco, turfa, perlite ou pedra-pomes, e deve ter matéria orgânica como composto misturado para fornecer uma nutrição rica.

Deve também certificar-se de que é estéril, o que deve ser indicado no saco, para evitar trazer ovos de pragas ou agentes patogénicos para os seus vasos.

3. colocar os recipientes num local com sombra

Embora existam algumas ervas tolerantes à sombra, as ervas mais comuns cultivadas em recipientes, como orégãos, tomilho, salva, alfazema, manjericão e outras, adoram o calor e precisam de sol pleno.

Muitos jardineiros principiantes subestimam estas necessidades e colocam as suas ervas em vasos num parapeito de janela sombreado ou num pátio virado a norte. Grande erro! Verá que as ervas que adoram o sol começarão a murchar, a amarelar, a deixar cair as folhas e a perder a cor quando não receberem luz solar e calor adequados.

Felizmente, se identificar rapidamente este problema, pode simplesmente mudar os seus vasos para um local mais ensolarado - desde que tenha um! Se não tiver absolutamente nenhum espaço que receba pelo menos 5 horas de sol por dia, considere comprar algumas lâmpadas de cultivo para o seu jardim de contentores ou cultivar ervas mais tolerantes à sombra, como a hortelã ou o endro.

4. cultivar ervas incompatíveis entre si

Procure saber quais são as necessidades de luz, temperatura e água das ervas que pretende cultivar e certifique-se de que planta plantas iguais.

Não é uma boa ideia plantar alecrim tolerante à seca com hortelã amante da humidade no mesmo vaso, pois cada um sofrerá com o calendário de rega do outro. O mesmo se aplica a outros factores de cuidado e é necessário fazer uma pesquisa sólida antes de agrupar ervas.

Além disso, tal como muitas frutas e legumes, as ervas têm plantas companheiras com as quais crescem bem e também têm "inimigos" com os quais não gostam de partilhar um vaso. Por exemplo, as ervas da família da hortelã normalmente não crescem bem quando plantadas juntamente com camomila ou salsa.

5. rega insuficiente ou excessiva

Fornecer às suas plantas a quantidade certa de água é um problema para todos os jardineiros, mas é especialmente difícil quando se trata de ervas em recipientes que precisam de uma pouco água extra, mas não em demasia!

É um problema comum que muitos jardineiros principiantes enfrentam quando cultivam ervas em vasos, por isso não se martirize com isso. Uma vez que os vasos estão acima do nível do solo, o sol aquece todo o recipiente e toda a terra no interior seca rapidamente.

É necessário compensar esta perda de água, mas ao mesmo tempo muitas ervas preferem condições secas, por isso certifique-se de que não cria um ambiente constantemente húmido ou encharcado para as ervas tolerantes à seca, como o alecrim, o tomilho, a salva ou os orégãos.

Veja também: 25 plantas com flores que atraem abelhas benéficas para o seu jardim

Por outro lado, algumas ervas - como as da família da hortelã - preferem um solo ligeiramente húmido, pelo que terá de se certificar de que as rega mais do que quando crescem no solo.

A melhor maneira de encontrar o equilíbrio certo é verificar, de vez em quando, com o dedo, a humidade do solo.

6) Deixar as ervas germinarem

A maioria das ervas comuns de jardim são colhidas pelas suas folhas e caules perfumados e, embora muitas delas tenham flores e sementes comestíveis, quando se deixa que concentrem a sua energia na produção de flores e sementes, o sabor das folhas diminui drasticamente.

Para manter as ervas utilizáveis durante o maior período de tempo possível, deve ter-se o cuidado de evitar que elas "apodreçam", que é o processo em que as plantas começam a concentrar-se na produção de flores e sementes.

Quando as ervas estão sob stress (muitas vezes temperaturas demasiado altas ou demasiado baixas), é mais provável que se soltem porque querem reproduzir-se rapidamente antes de morrerem.

Tenha o cuidado de manter a sua planta saudável e feliz para evitar o aparecimento prematuro de bolhas e, quando vir flores a formarem-se, corte as cabeças para redirecionar a energia para as folhas. Por vezes, isto tem de ser feito com muita frequência para manter a colheita, especialmente com ervas como o manjericão ou o coentro.

7) Colocar os contentores num local com muito vento

As ervas danificadas pelo vento murcham, amarelecem, ficam com bolhas ou morrem antes mesmo de poder experimentar os benefícios do seu cultivo.

Já sabe que deve ter em conta a exposição solar do seu local, mas e o vento? Se as suas ervas aromáticas estiverem, por exemplo, numa caixa de janela pendurada numa varanda que recebe ventos fortes, elas não ficarão contentes! Os seus recipientes não precisam de estar num ambiente totalmente livre de vento, mas certifique-se de que têm algum abrigo sob a forma de um muro baixo ou de outras plantas mais altas para as proteger.

Algumas ervas também se adaptam melhor a condições ventosas do que outras; o ambiente nativo do alecrim são as falésias rochosas do Mediterrâneo, pelo que está muito melhor adaptado e é mais resistente ao vento do que outras ervas.

8. cultivar as ervas erradas para o seu clima

Escolha ervas que se adaptem bem ou que sejam nativas da sua região. Se vai colocar o seu jardim de ervas em recipientes no exterior, no seu jardim, no seu pátio ou numa varanda, certifique-se de que tem em conta a forma como o clima local as afectará.

Existem alguns climas desfavoráveis óbvios, como invernos rigorosos com temperaturas negativas e neve, que matam a maioria das ervas, mas mesmo factores subtis, como a quantidade de nuvens e chuva constantes que recebe, podem resultar em plantas enfraquecidas que são uma desilusão para o olhar e para o consumo.

Seleccione ervas para o seu jardim que sejam adequadas à sua região, especialmente quando as cultiva noutras estações que não o verão. Esta é também uma razão divertida para explorar ervas nativas que podem até crescer selvagens na sua área e das quais ainda não ouviu falar!

9. ervas de sobrelotação

Tenha cuidado para não plantar as suas ervas demasiado densamente e tenha em conta que elas vão crescer e expandir-se muito!

Muitos jardineiros cultivam muitas ervas juntas num vaso ou numa caixa de janela, e muitas delas crescem bem juntas e afastam os insectos com os seus aromas poderosos.

Ao plantar sementes ou transplantes, é fácil subestimar o tamanho que as suas ervas aromáticas irão atingir, especialmente porque muitas delas crescerão para se adaptarem ao espaço que lhes é dado.

Aconchegar demasiadas ervas num vaso resultará em competição por recursos, falta de fluxo de ar e aumento do risco de doenças entre as suas plantas.

A sobrelotação também dificulta a rega ao nível do solo e é provável que acabe por ter folhas muito húmidas, contribuindo ainda mais para os riscos de doenças fúngicas. Não seja demasiado ganancioso com o número de ervas que consegue colocar num vaso, porque pode acabar por perdê-las todas!

10. compra de transplantes de ervas doentes ou com doenças

Faça uma pesquisa antes de comprar ervas jovens e procure rótulos com certificações que indiquem que as plantas provêm de um ambiente estéril.

Algumas ervas são difíceis de estabelecer a partir de sementes, muitas vezes ervas lenhosas como o alecrim, a salva e a alfazema, e pode levar muitos anos até que estejam suficientemente maduras para produzir uma colheita.

Consequentemente, a maioria dos jardineiros compra estas ervas como transplantes em viveiros, vizinhos ou centros de plantas, para que possam ser utilizadas nessa estação ou no ano seguinte.

Compre sempre a vendedores de renome e de confiança, ou poderá acabar com ervas doentes que rapidamente espalham agentes patogénicos da doença pelo seu jardim de contentores e fazem com que todas as suas ervas sofram com isso.

11. pulverização de ervas com produtos químicos sintéticos

Uma vez que a maioria das ervas é consumida crua, pulverizá-las com pesticidas e fertilizantes sintéticos à base de glifosato pode ser perigoso para si e prejudicial para o seu jardim.

As ervas aromáticas cultivadas em recipientes têm, normalmente, condições muito mais controladas e o facto de serem cultivadas acima do solo significa, frequentemente, menos pragas.

Tente mondar à mão, utilizar medidas naturais de controlo de pragas, como o óleo de neem, e fertilizar com chá de composto ou estrume compostado para dar um impulso às suas plantas em vez de recorrer a intervenções químicas.

Se acha mesmo que precisa de usar algo mais forte no seu jardim de ervas, certifique-se de que tem um rótulo "seguro para comestíveis".

12. não fertilizar suficientemente o seu jardim

As ervas em vaso têm menos acesso a outras fontes de nutrientes do que as cultivadas no solo e precisam de ser alimentadas com um fertilizante natural todos os meses.

Muitos jardineiros que têm jardins de plantas perenes podem apreciar a robustez e a resistência de certas ervas, especialmente as tolerantes à seca que podem ter sucesso em solos pobres, e, como resultado, esquecem-se de alimentar as ervas cultivadas em contentores.

Uma óptima opção é o composto caseiro, a farinha de sangue e ossos, o chá de composto ou o estrume compostado, que têm todos a maioria dos grupos de nutrientes cobertos e darão ao seu jardim de ervas o impulso de que necessita.

Aprenda com os seus erros!

Se tiver em mente estes doze erros comuns, deverá ter muito sucesso no seu jardim de ervas em contentor.

Mas há sempre coisas que podem correr mal de uma época para a outra, por isso mantenha uma atitude positiva e aprenda com os seus erros.

Certifique-se de que está a cumprir todos os requisitos de cuidados regulares para as suas ervas, tal como indicado nos pacotes de sementes ou nos rótulos, uma vez que as plantas geralmente saudáveis são mais resistentes a outros problemas.

Escolha o vaso, o local, o vendedor e as ervas certos, e deverá colher os benefícios de cultivar e utilizar ervas frescas e perfumadas durante anos.

Timothy Walker

Jeremy Cruz é um ávido jardineiro, horticultor e entusiasta da natureza vindo do campo pitoresco. Com um olhar atento aos detalhes e uma profunda paixão pelas plantas, Jeremy embarcou em uma jornada ao longo da vida para explorar o mundo da jardinagem e compartilhar seu conhecimento com outras pessoas por meio de seu blog, Gardening Guide And Horticulture Advice By Experts.O fascínio de Jeremy pela jardinagem começou na infância, quando ele passava inúmeras horas ao lado de seus pais cuidando da horta da família. Essa educação não apenas promoveu o amor pela vida vegetal, mas também incutiu uma forte ética de trabalho e um compromisso com práticas de jardinagem orgânica e sustentável.Depois de se formar em horticultura em uma universidade renomada, Jeremy aprimorou suas habilidades trabalhando em vários jardins botânicos e viveiros de prestígio. Sua experiência prática, juntamente com sua curiosidade insaciável, permitiu que ele mergulhasse profundamente nas complexidades de diferentes espécies de plantas, design de jardins e técnicas de cultivo.Alimentado pelo desejo de educar e inspirar outros entusiastas da jardinagem, Jeremy decidiu compartilhar sua experiência em seu blog. Ele cobre meticulosamente uma ampla gama de tópicos, incluindo seleção de plantas, preparação do solo, controle de pragas e dicas de jardinagem sazonal. Seu estilo de escrita é envolvente e acessível, tornando conceitos complexos facilmente digeríveis para jardineiros novatos e experientes.além deleblog, Jeremy participa ativamente de projetos comunitários de jardinagem e realiza workshops para capacitar indivíduos com o conhecimento e as habilidades para criar seus próprios jardins. Ele acredita firmemente que a conexão com a natureza por meio da jardinagem não é apenas terapêutica, mas também essencial para o bem-estar das pessoas e do meio ambiente.Com seu entusiasmo contagiante e profundo conhecimento, Jeremy Cruz tornou-se uma autoridade confiável na comunidade de jardinagem. Seja para solucionar problemas de uma planta doente ou oferecer inspiração para o projeto de jardim perfeito, o blog de Jeremy serve como um recurso para aconselhamento em horticultura de um verdadeiro especialista em jardinagem.