15 plantas que crescem bem (e não apenas sobrevivem) debaixo de um pinheiro

 15 plantas que crescem bem (e não apenas sobrevivem) debaixo de um pinheiro

Timothy Walker

"Nada cresce debaixo dos pinheiros!" Já deve ter ouvido isso muitas vezes, mas é um mito e eu vou provar-lho.

É verdade que muitas plantas adoecem, morrem ou nem sequer brotam sob as coníferas, e isso é uma questão de habitat. De facto, as agulhas de pinheiro caídas baixam o pH do solo para cerca de 5,5; depois, têm uma copa muito densa durante todo o ano, que bloqueia a luz.

Mas não deve desistir e recorrer a pedras, elementos ou vasos para ajardinar o seu espaço florestal...

Para ter sucesso com o paisagismo debaixo de um pinheiro, deve escolher plantas que gostam de ácido e que podem suportar a sombra e a seca.

Este facto influenciará grandemente a sua escolha, mas existem ainda muitas plantas, incluindo fetos, musgos e muitos tipos diferentes de relva, por exemplo, que não têm qualquer problema com esses locais.

Há também uma série de plantas com flores, pequenos arbustos e plantas de cobertura do solo que são adequadas para plantar debaixo de pinheiros, abetos, cedros e outras coníferas.

Descubra a nossa seleção de plantas que crescem debaixo das árvores e conselhos para jardinar debaixo dos pinheiros, para que os pés descalços dos seus pinheiros sejam finalmente adornados com belas flores e folhagens.

O problema: porque é que poucas plantas crescem debaixo dos pinheiros

Vejamos primeiro o que acontece exatamente debaixo dos pinheiros, para compreender porque é que estas plantas se desenvolvem aí.

Todas as árvores têm um papel importante no ecossistema e na criação de diferentes habitats, e os pinheiros não são exceção. Se quiser cultivar a maioria das plantas perenes, anuais e mesmo muitos arbustos, por exemplo, precisa de lhes dar o tipo certo de solo para começar.

Mas as árvores são diferentes; todas as árvores, incluindo as coníferas, mudam o solo para as melhores condições para si próprias.

Assim, mesmo que se plante um pinheiro ou um abeto num solo alcalino, com o passar dos anos, este tornar-se-á ácido, porque é assim que ele gosta. As agulhas de pinheiro são ácidas e rapidamente lixiviam os seus ácidos para o solo, baixando o seu pH. Normalmente, o solo torna-se numa zona limítrofe entre moderada e ligeiramente ácido, aproximadamente 5,5 .

As agulhas de pinheiro velhas não fazem isso; é um mito que temos de desmistificar e dissipar. Já perderam a maior parte da acidez e, à medida que endurecem, lixiviam muito menos.

O outro problema é que as coníferas e os pinheiros são sempre verdes, o que significa que as suas copas fornecem sombra durante todo o ano, e são muitas vezes muito espessas. O que é preciso é uma planta que goste ou tolere uma sombra parcial, uma sombra salpicada ou mesmo uma sombra total.

Se isto parece uma "missão impossível", não o é e vê-lo-emos em breve. Mas primeiro vamos aprender a poupar tempo e energia...

Alterar a acidez do solo sob pinheiros, funciona?

Pode adicionar cal ao solo para aumentar o seu pH, mas... Para começar, isso não seria bom para as suas coníferas; e elas continuariam a esforçar-se, e a conseguir, alterá-lo.

Assim, acabaria por ter uma luta contínua com as suas árvores, investindo muito tempo e esforço para obter resultados escassos e transitórios.

O seu solo será muito mais fértil se deixar que os seus pinheiros cuidem do seu ecossistema. Em resumo, é muito melhor trabalhar com a Natureza do que contra ela.

Então, quais são as melhores plantas para cultivar num ambiente ácido e sombrio como o que se encontra debaixo dos pinheiros?

15 plantas que crescem bem debaixo de pinheiros

Divididas em plantas perenes, arbustos e plantas de cobertura do solo, eis 15 plantas fantásticas que pode cultivar debaixo de pinheiros e coníferas.

Que plantas perenes crescem debaixo dos pinheiros?

Muito poucas plantas anuais crescem debaixo dos pinheiros, porque precisam de luz solar e a maioria não se adapta bem a solos ácidos, mas as plantas perenes são diferentes.

Muitos crescem naturalmente em florestas de coníferas, por exemplo. Então, vamos ver o que a Natureza tem para oferecer.

1. violeta-persa (Cyclamen coum)

A violeta-persa é o ciclame mais comum nas florestas de pinheiros das regiões temperadas do mundo, podendo literalmente encher os tapetes de agulhas que se encontram debaixo das coníferas com mares de flores reflexas, brilhantes e invulgares, que crescem à sombra destas árvores sempre verdes.

Com as suas distintas pétalas roxas rosadas, esta pequena variedade é uma escolha forte e fiável e um rebento precoce, perfeito para anunciar a primavera em áreas sombrias.

Despontam como botões nos caules que vêm diretamente do solo e abrem-se quando os dias ficam mais longos.

As folhas são largas, verde-escuras e em forma de coração, com manchas mais claras, e formam pequenos tufos de aspeto doce. Uma variedade alternativa é o ciclame resistente, ou Cyclamen neapolitanum.

Este vencedor do Award of Garden Merit da Royal Horticultural Society naturaliza-se espontaneamente em solos soltos e férteis, uma vez que os cormos se multiplicam no subsolo, e pode mesmo oferecer uma solução de cobertura parcial do solo.

  • Resistência: Zona USDA 4 a 9.
  • Exposição à luz: sombra salpicada ou sombra parcial.
  • Época de floração: inverno e início da primavera.
  • Tamanho: 7,5 a 15 cm de altura e até 20 cm de altura.
  • Necessidades do solo: solo fértil e rico em húmus, bem drenado, mas regularmente húmido, à base de argila, giz ou areia, com pH de bastante ácido a neutro (5,0 a 7,0, idealmente cerca de 5,8).

2) Narcisos (Narcissus spp.)

Os narcisos crescem bem debaixo de muitas árvores, incluindo coníferas e pinheiros. São flores maciças com uma fragrância muito forte e quase sinónimo de primavera.

Claro que há muitas variedades que pode escolher, mas as mais naturais são as melhores, como o narciso do poeta (Narcissus poeticus) e o narciso selvagem (Narcissus pseudonarcissus).

São mais resistentes e adaptam-se bem aos habitats florestais, tal como sob as espessas copas das agulhas, naturalizam-se rapidamente e requerem pouca manutenção.

No entanto, estes são alguns dos melhores e mais aromáticos tipos desta flor mítica que se pode cultivar!

Plantar bolbos de narcisos debaixo dos pinheiros não podia ser mais fácil, e ficará surpreendido ao ver o seu número crescer ano após ano. Basta dividir grandes tufos a cada dois ou três anos, para os ajudar a propagar-se e a espalhá-los por uma grande área.

  • Resistência: Zonas USDA 3 a 9.
  • Exposição à luz: sol pleno, sombra ligeira, sombra salpicada e sombra parcial.
  • Época de floração: final da primavera.
  • Tamanho: 1 a 2 pés de altura (30 a 60 cm) e cerca de 3 polegadas de propagação (8,0 cm).
  • Necessidades do solo: Solo médio fértil e bem drenado, argiloso, calcário ou arenoso, com pH de ácido a neutro (idealmente um pouco abaixo de 6,0). Tolera a seca quando não está em flor e uma vez estabelecida.

3) Jacinto-das-uvas (Muscari armeniacum)

O jacinto de uva é mais um "natural" com habitats de floresta e pinhal.

Veja também: Fertilizantes caseiros: 10 opções simples e baratas para fertilizar plantas de casa de forma natural

Nativa das florestas temperadas, pode criar efeitos maravilhosos com o seu mar de flores azuis profundas em forma de sino que florescem todas ao mesmo tempo, cobrindo os arbustos com uma explosão de cor.

Para ser exato, existe uma gama de cores que vai do azul escuro ao branco, pelo que pode divergir do aspeto clássico dos postais, se assim o desejar.

Os espigões surgem do solo por entre uma folhagem verde e luxuriante, composta por muitas folhas longas, carnudas e de cor verde média, como folhas de relva.

O efeito geral é muito natural e, durante algum tempo, podem funcionar como cobertura do solo, mas as folhas desaparecem rapidamente após o fim da floração.

O jacinto de uva é uma outra planta perene bulbosa que pode ser facilmente naturalizada; é realmente pouco exigente, muito indulgente e muito generosa. De facto, é uma das melhores escolhas se quiser um efeito maciço com pouco dinheiro e esforço debaixo dos seus pinheiros.

  • Resistência: Zonas USDA 4 a 8.
  • Exposição à luz: sol pleno, sombra ligeira, sombra salpicada e sombra parcial.
  • Época de floração: a meio e no final da primavera.
  • Tamanho: 15 a 20 cm de altura e 2,5 a 5 cm de altura, embora os tufos possam ser bastante grandes.
  • Necessidades do solo: Solo medianamente fértil e bem drenado, mas regularmente húmido, à base de argila, barro, giz ou areia, com pH de bastante ácido a neutro. Tolera também solos ligeiramente alcalinos.

4) Íris de crista anã (Iris cristata)

A íris de crista anã é uma planta perene de crescimento baixo que cresce bem debaixo de coníferas como pinheiros ou abetos. Forma tufos de folhas verdes brilhantes em forma de espada que crescem diretamente do solo, onde os rizomas se espalham e se naturalizam facilmente.

As flores vêm em grupos de três e são de cor azul violeta, com até 4 polegadas de diâmetro (ou 15 cm).

Estas plantas gostam de lugares sombrios e húmidos e são ideais para zonas florestais.

Fácil de cultivar, a íris de crista anã é uma das favoritas dos jardineiros de todo o mundo; embora seja principalmente apreciada em jardins de rocha, adapta-se à maioria dos outros desenhos.

  • Resistência: Zonas USDA 4 a 10.
  • Exposição à luz: sombra salpicada ou sombra parcial.
  • Época de floração: a meio da primavera.
  • Tamanho: 15 a 22 cm de altura e 15 a 30 cm de altura.
  • Necessidades do solo: solo rico em húmus, fértil e bem drenado, mas constantemente húmido, à base de argila ou argila, com pH de ligeiramente alcalino a ligeiramente ácido (de 6,1 a 7,5, mas idealmente inferior a 6,8).

5) Trillium branco (Trillium grandiflorum)

Para uma floração vistosa debaixo dos pinheiros e das coníferas, há uma grande planta perene para si: o trillium branco!

As suas flores grandes são da cor da neve, com órgãos reprodutores amarelos brilhantes, e têm três pétalas largas, vistosas e com nervuras, e podem ter 10 cm de diâmetro.

Surgem de um denso tufo de folhagem verde, cada folha larga é larga, pontiaguda e bastante decorativa.

Pode deixar o trillium espalhar-se, o que lhe dará flores duradouras e generosas sob as copas das agulhas na primavera e no verão.

É uma escolha ideal para flores grandes em jardins de flores silvestres de aspeto natural e habitats florestais. É também vencedora do Award of Garden Merit da Royal Horticultural Society.

Fácil de cultivar e de propagação rápida, o trillium branco é uma excelente escolha se quiser um grande espetáculo, com uma exibição cândida, mas tem pouco dinheiro, tempo e recursos para transformar esse tapete de agulhas num mar de branco e verde.

  • Resistência: Zonas USDA 4 a 8.
  • Exposição à luz: sombra salpicada, sombra parcial e sombra total.
  • Época de floração: de meados da primavera a princípios do verão.
  • Tamanho: 1 a 2 pés de altura (30 a 60 cm) e 1 pé de propagação (30 cm).
  • Necessidades do solo: solo rico em húmus e bem drenado, mas constantemente húmido, de base argilosa, calcária ou arenosa, com pH ácido a neutro.

6) Columbina (Aquilegia spp.)

Com as columbinas, tem uma vasta gama de cores e de variedades perenes para cultivar debaixo dos seus pinheiros.

De facto, estas plantas com flores, fortes e adaptáveis, toleram locais com sombra e preferem solos ácidos, que é exatamente o que precisa.

As suas flores acenando, de aspeto invulgar, vêm numa paleta que vai do branco ao púrpura, incluindo amarelos, rosas, vermelhos, laranjas e alguns tons deslumbrantes de azul e violeta!

Por outro lado, há também flores multicoloridas, em que a coroa é geralmente diferente das outras pétalas.

Acrescente a folhagem semelhante a um feto, que pode ser verde ou verde-azulada, e verá como pode transformar o seu jardim florestal num espetáculo espantoso.

Todas as columbinas se darão bem debaixo dos pinheiros, mas se as condições forem difíceis e quiser estar seguro, escolha uma espécie natural em vez de uma cultivar, como a columbina alpina (Aquilegia alpina), a columbina das Montanhas Rochosas (Aquilegia cerulea) ou a columbina canadiana (Aquilegia canadiensis).

  • Resistência: Zonas USDA 3 a 9 ou 4 a 8 consoante a variedade.
  • Exposição à luz: sol pleno, sombra ligeira, sombra salpicada e sombra parcial.
  • Época de floração: no final da primavera e no início do verão, por vezes voltam a florir no outono.
  • Tamanho: 1 a 2 pés de altura (30 a 60 cm) e até 1 pé de propagação (30 cm).
  • Necessidades do solo: solos medianamente férteis mas bem drenados, argilosos, calcários ou arenosos, com pH de ligeiramente ácido a neutro.

Arbustos que se desenvolvem sob um pinheiro

Pode mesmo cultivar alguns arbustos, grandes ou pequenos, debaixo de pinheiros e coníferas.

Preencherão o espaço sob os seus ramos e copas espessas com muita folhagem e até flores, dando estrutura e profundidade ao seu jardim florestal.

7) Verdura de inverno (Gaultheria procumbens)

Para um arbusto baixo que cresce debaixo das coníferas e dos pinheiros, a gaultéria tem muito para oferecer.

As suas folhas largas, lustrosas, ovais e coriáceas formam uma almofada espessa de cores variadas, do verde vivo ao púrpura, que mudam à medida que a estação avança, mas que também se mantêm no inverno, porque é perene.

As flores brancas em forma de sino, com um toque de rosa, desabrocham no verão e, depois, este pequeno arbusto acompanha a sua exibição durante todo o ano com bagas vermelhas e brilhantes que se mantêm durante os meses mais frios e até à primavera!

Parecem pequenas maçãs e atraem muitos pássaros para o seu espaço verde.

A Wintergreen é um arbusto, é verdade, mas pode mesmo ser utilizada como cobertura do solo, se plantar muitos exemplares sob as copas dos seus pinheiros.

E terá um campeão de jardinagem na sua coleção, porque ganhou o Award of Garden Merit da Royal Horticultural Society.

  • Resistência: Zonas USDA 3 a 9.
  • Exposição à luz: sombra salpicada, sombra parcial ou mesmo sombra total.
  • Época de floração: julho e agosto.
  • Tamanho: 8 a 15 cm de altura e 30 cm de altura.
  • Necessidades do solo: Solo fértil, organicamente rico e bem drenado, mas regularmente húmido, à base de argila, barro ou areia, com pH ácido (4,5 a 6,5). Tolera solos neutros.

8. hortênsias (Hydrangea spp.)

A hortênsia é um arbusto florido ideal para plantar debaixo de coníferas, pois gosta de solos ácidos, de sombra e da proteção oferecida pelos pinheiros. Na verdade, gosta do facto de não precisar de esforçar as raízes para encontrar nutrientes quando cresce debaixo de coníferas. A variedade é enorme, em tamanho e cor.

Pode ter flores em qualquer tonalidade, desde o roxo ao branco, passando pelos vermelhos, laranjas, rosas e até verdes! Sempre em grandes e espessos cachos e com uma duração de meses, estas flores podem transformar o seu espaço sombrio numa explosão de luz.

Existem tantas variedades que é difícil escolher, mas lembre-se de que também existem variedades anãs, caso tenha um jardim pequeno.

Para começar, aplique regularmente uma cobertura vegetal para preservar a humidade e os nutrientes do solo.

Em seguida, não plante as plantas apenas perto do tronco, mas sim nas extremidades da zona de sombra da copa, sobretudo se a folhagem for muito espessa.

  • Resistência: Zonas USDA 5 a 9.
  • Exposição à luz: sombra salpicada, sombra parcial, sombra ligeira e, nalgumas variedades, até sol pleno.
  • Época de floração: verão.
  • Tamanho: De 2 a 10 pés de altura e de envergadura (30 cm a 3,0 metros) consoante a variedade.
  • Necessidades do solo: solo fértil e regularmente húmido, bem drenado, à base de argila ou areia, com pH de ligeiramente alcalino a ligeiramente ácido.

9) Rododendros e azáleas (Rhododendron spp.)

Os rododendros e as azáleas são, de longe, alguns dos melhores arbustos floridos que se podem cultivar debaixo dos pinheiros. Resistentes à acidez, à sombra e imensamente bonitos, estes arbustos enchem-se de um mar de flores que cobrem quase completamente toda a planta.

Um dos arbustos de jardim preferidos em todo o mundo, existem em todos os tamanhos e cores, incluindo brancos, amarelos, rosas, laranjas, vermelhos e roxos, mas também azuis e violetas.

Algumas têm flores maiores, outras mais pequenas, algumas são também perfumadas! Basta escolher, e há também muitos vencedores de prémios e uma enorme série de cultivares.

Os rododendros e as azáleas são arbustos emblemáticos para as zonas florestais; há dois segredos fundamentais para os fazer felizes: manter o solo solto, porque não têm raízes fortes, e garantir que têm um solo ácido, ou deixar que os pinheiros o façam!

  • Resistência: Zonas USDA 5 a 8.
  • Exposição à luz: sombra salpicada ou sombra total.
  • Época de floração: Normalmente, na primavera e no verão, mas há flores precoces e tardias.
  • Tamanho: De 3 a 15 pés de altura e de envergadura (90 cm a 4,5 metros) consoante a variedade.
  • Necessidades do solo: solo rico em húmus e fértil, bem drenado, mas regularmente húmido, de base franca, argilosa ou arenosa, com pH ácido (4,5 a 6,0).

10. gardénia (Gardenia spp.)

A gardénia, ou jasmim-do-cabo, é um arbusto muito exigente, mas adora as condições que se encontram debaixo dos pinheiros. De facto, adora solos ácidos soltos e também gosta de estar ao abrigo do sol excessivo. Como sabe, as suas flores brancas e rosadas são espectaculares.

Podem atingir 15 cm de diâmetro nalgumas variedades e são sempre muito perfumadas.

Existem mais de 200 tipos à escolha, todos cândidos e belos, sem esquecer a folhagem brilhante, verde escura, elíptica e espessa...

Perde muitas vezes o seu brilho sob as árvores de folha caduca, e a razão é o pH elevado do solo. Mas as coníferas asseguram-se de que isso não acontece. A companheira perfeita para uma área de pinhal.

A elegância das gardénias é difícil de descrever; têm aquele aspeto perfeito que se adequa tanto aos jardins ocidentais tradicionais, como os jardins rurais ingleses, como aos desenhos orientais, como os jardins japoneses.

  • Resistência: Zonas USDA 8 a 11.
  • Exposição à luz: sol pleno, sombra ligeira, sombra salpicada e sombra parcial.
  • Época de floração: primavera e verão.
  • Tamanho: 1,2 a 2,4 metros de altura e 90 cm a 1,5 metros de altura.
  • Necessidades do solo: solo fértil e organicamente rico, bem drenado mas constantemente húmido, de base franco-argilosa ou arenosa, com pH ácido (entre 5,0 e 6,5).

11) Cranberrybush americano "Redwig" (Viburnum trilobum "Redwig")

Dê uma explosão de cores flamejantes ao seu pinhal com a amoreira americana 'Redwig'! Espere, também é um espetáculo na primavera, quando as flores em forma de renda o enchem de flores brancas.

Nesta fase, as folhas de cor verde médio e lobadas já apresentam algumas manchas de amaranto, mas também vai receber muitas borboletas.

Depois, no verão, verá grandes cachos caídos de bagas vermelho-lava, e os pássaros virão visitar o seu jardim e banquetear-se com elas.

Veja também: 15 trepadeiras anuais bonitas e de crescimento rápido para o seu jardim

À medida que os dias se tornam mais curtos, a densa folhagem dos ramos espessos adquire tons ainda mais profundos de vermelho e laranja, para encerrar a estação com um espetáculo digno das florestas canadianas!

O Arbusto de arando americano 'Redwig' é um arbusto de folha caduca, resistente ao frio e em constante mudança, que cria um grande contraste com a copa verde ou azul das agulhas das coníferas e dos pinheiros, e é perfeito para uma paisagem carregada de emoções.

  • Resistência: Zonas USDA 2 a 7.
  • Exposição à luz: sol pleno, sombra ligeira, sombra salpicada ou sombra parcial.
  • Época de floração: primavera.
  • Tamanho: 2,4 a 3,0 metros de altura e 1,8 a 2,4 metros de altura.
  • Necessidades do solo: Solo médio fértil e bem drenado à base de argila ou barro, com pH de ácido a neutro (4,5 a 7,0), mas também tolera solos ligeiramente alcalinos. É muito argiloso e tolerante à seca.

Plantas de cobertura do solo que crescem bem debaixo de pinheiros

Não precisa de ter um tapete de agulhas debaixo dos seus pinheiros; existem algumas plantas de cobertura do solo que se adaptam perfeitamente a este tipo de habitat. E aqui estão elas.

12. anémona-dos-prados (Anemone canadensis)

A anémona dos prados é comum nas zonas florestais, onde forma densos tapetes de folhas verdes médias ricamente texturadas. Ela vai adorar as condições que pode oferecer debaixo dos seus pinheiros e esconder totalmente a camada de agulhas por baixo da sua folhagem.

Por outro lado, oferece-lhe uma doce exibição de flores erectas de aspeto delicado com pétalas brancas e um centro amarelo que parecem espalhadas por toda a almofada esmeralda, e que duram meses.

Basta plantar algumas anémonas dos prados debaixo dos seus pinheiros para obter um grande resultado em poucos meses.

Os rizomas subterrâneos espalhar-se-ão por toda a parte, dando-lhe uma solução rápida, barata e fácil e transformando um chão castanho de agulhas num tapete exuberante e fino de folhas verdes e flores brancas, mesmo em zonas frias.

  • Resistência: Zonas USDA 3 a 8.
  • Exposição à luz: sombra salpicada, sombra parcial ou sombra total.
  • Época de floração: de meados da primavera a princípios do verão.
  • Tamanho: 1 a 2 pés de altura (30 a 60 cm) e 1 a 3 pés de envergadura (30 a 90 cm).
  • Necessidades do solo: solos medianamente férteis e regularmente húmidos, mas bem drenados, à base de argila, barro, giz ou areia, com pH de ligeiramente alcalino a ligeiramente ácido.

13) Feto de senhora (Athyrium filix-femina)

O feto-da-índia é uma planta natural de cobertura do solo em zonas florestais, incluindo pinhais, que gosta de zonas sombrias sob as copas espessas das árvores e que também gosta de solos ácidos, o que a torna perfeita.

As frondes são bonitas, arqueadas, triangulares e finamente segmentadas. A sua cor verde claro a médio complementa a textura elegante e fina.

Trata-se de um feto que impressiona à distância, onde se pode admirar a disposição em roseta da folhagem, mas também de perto, onde se podem ver os pormenores delicados.

Esta vencedora do Award of Garden Merit da Royal Horticultural Society é fácil de cultivar e também se propaga naturalmente.

A samambaia é um clássico das florestas temperadas; é exuberante e forte, mas precisa de humidade constante para se dar bem debaixo dos seus pinheiros.

  • Resistência: Zonas USDA 4 a 9.
  • Exposição à luz: sombra salpicada, sombra parcial ou sombra total.
  • Época de floração: N/A.
  • Tamanho: 1 a 3 pés de altura e de envergadura (30 a 90 cm).
  • Necessidades do solo: solo fértil, rico em húmus e constantemente húmido, mas bem drenado, à base de argila, barro ou areia, com pH de ácido a neutro (4,0 a 7,0).

14) Hostas (Hosta spp.)

Cultivadas sobretudo pela sua bela folhagem, as Hostas ( Plátanos As Hostas são excelentes plantas de cobertura do solo, mas precisam de sombra e preferem solos ácidos.

Por outro lado, são as preferidas dos caracóis e das lesmas, que adoram as suas folhas frescas, carnudas, largas e tenras e pontiagudas.

Enquanto nós as adoramos porque formam tufos espessos e exuberantes de folhas em forma de coração, verdes ou variegadas, com azuis, cremes e amarelos, os nossos pequenos animais adoram-nas pelo seu sabor.

As agulhas de pinheiro: estes invertebrados não as suportam, porque, claro, imagine rastejar numa cama de "unhas" afiadas e pontiagudas...

Terá plantas saudáveis e também as suas delicadas flores brancas, cor-de-rosa ou lavanda sob as suas coníferas.

O lírio-da-terra espalha-se e forma grandes tufos em boas condições, e eles vão encontrá-los precisamente onde pensava que não podia cultivar nenhuma planta delicada: debaixo dos ramos dos seus pinheiros. Não se esqueça de o regar regularmente!

  • Resistência: Zonas USDA 3 a 9.
  • Exposição à luz: sombra salpicada, sombra parcial ou sombra total.
  • Época de floração: verão.
  • Tamanho: 1 a 2 pés de altura (30 a 60 cm) e 3 a 4 pés de envergadura (90 a 120 cm).
  • Necessidades do solo: solo rico e fértil, bem drenado, mas constantemente húmido, de base franco-argilosa ou argilosa, com pH de ligeiramente alcalino a ligeiramente ácido.

15) Lírio-do-vale (Convallaria majalis)

O lírio-do-vale cobre o solo sob muitas árvores, incluindo florestas de pinheiros e coníferas, e fá-lo com estilo!

As suas folhas largas, arqueadas e pontiagudas crescem diretamente do solo, formando uma espessa camada de folhagem e espalhando-se natural e rapidamente.

Na espécie-mãe, são verdes brilhantes a médios, mas na cultivar 'Albostriata' são escuros com riscas de lima.

Para além disso, as belas flores em forma de sino e acenando nos longos caules contribuem para o efeito. Estas são normalmente brancas, mas a Convallaria majalis var. rosea oferece uma delicada tonalidade rosa lilás.

De manutenção muito reduzida e forte, ganhou também o Award of Garden Merit da Royal Horticultural Society.

O lírio-do-vale dará o aspeto perfeito de bosque como cobertura do solo com pouco esforço, mesmo em climas muito frios; no entanto, lembre-se que esta planta é tóxica se ingerida, por isso, não se sinta tentado a comê-la.

  • Resistência: Zonas USDA 2 a 7.
  • Exposição à luz: sombra salpicada, sombra parcial ou sombra total.
  • Época de floração: a meio e no final da primavera.
  • Tamanho: até 1 pé de altura e 30 cm de envergadura.
  • Necessidades do solo: Solo fértil e organicamente rico, bem drenado, de base franco-argilosa ou argilosa, com pH entre ácido e neutro (5,0 a 7,0). É tolerante a solos secos e a argilas pesadas.

Não há plantas que cresçam debaixo de tacos de pinho? É um mito!

Os jardineiros amadores coçam sempre a cabeça quando têm de cultivar plantas debaixo de pinheiros.

Mas se é verdade que muitas não se desenvolvem, ou até morrem, sabemos agora que há algumas que vão chamar as condições sombrias e ácidas de casa, e recompensá-lo por isso!

Timothy Walker

Jeremy Cruz é um ávido jardineiro, horticultor e entusiasta da natureza vindo do campo pitoresco. Com um olhar atento aos detalhes e uma profunda paixão pelas plantas, Jeremy embarcou em uma jornada ao longo da vida para explorar o mundo da jardinagem e compartilhar seu conhecimento com outras pessoas por meio de seu blog, Gardening Guide And Horticulture Advice By Experts.O fascínio de Jeremy pela jardinagem começou na infância, quando ele passava inúmeras horas ao lado de seus pais cuidando da horta da família. Essa educação não apenas promoveu o amor pela vida vegetal, mas também incutiu uma forte ética de trabalho e um compromisso com práticas de jardinagem orgânica e sustentável.Depois de se formar em horticultura em uma universidade renomada, Jeremy aprimorou suas habilidades trabalhando em vários jardins botânicos e viveiros de prestígio. Sua experiência prática, juntamente com sua curiosidade insaciável, permitiu que ele mergulhasse profundamente nas complexidades de diferentes espécies de plantas, design de jardins e técnicas de cultivo.Alimentado pelo desejo de educar e inspirar outros entusiastas da jardinagem, Jeremy decidiu compartilhar sua experiência em seu blog. Ele cobre meticulosamente uma ampla gama de tópicos, incluindo seleção de plantas, preparação do solo, controle de pragas e dicas de jardinagem sazonal. Seu estilo de escrita é envolvente e acessível, tornando conceitos complexos facilmente digeríveis para jardineiros novatos e experientes.além deleblog, Jeremy participa ativamente de projetos comunitários de jardinagem e realiza workshops para capacitar indivíduos com o conhecimento e as habilidades para criar seus próprios jardins. Ele acredita firmemente que a conexão com a natureza por meio da jardinagem não é apenas terapêutica, mas também essencial para o bem-estar das pessoas e do meio ambiente.Com seu entusiasmo contagiante e profundo conhecimento, Jeremy Cruz tornou-se uma autoridade confiável na comunidade de jardinagem. Seja para solucionar problemas de uma planta doente ou oferecer inspiração para o projeto de jardim perfeito, o blog de Jeremy serve como um recurso para aconselhamento em horticultura de um verdadeiro especialista em jardinagem.